Liturgia Diária


Liturgia do dia 22 de Outubro de 2014 [Clique nas leituras]

Irmãos: «Certamente já ouvistes falar da graça de Deus que me foi dada para vosso benefício, a fim de realizar o seu plano:
que, por revelação, me foi dado conhecer o mistério, tal como antes o descrevi resumidamente.
Lendo-o, podeis fazer uma ideia da compreensão que tenho do mistério de Cristo,
que, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, em gerações passadas, como agora foi revelado aos seus santos Apóstolos e Profetas, no Espírito:
os gentios são admitidos à mesma herança, membros do mesmo Corpo e participantes da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho.
Dele me tornei servidor, pelo dom da graça de Deus que me foi dada, pela eficácia do seu poder.
A mim, o menor de todos os santos, foi dada a graça de anunciar aos gentios a insondável riqueza de Cristo
e a todos iluminar sobre a realização do mistério escondido desde séculos em Deus, o criador de todas as coisas
para que agora, por meio da Igreja, seja dada a conhecer, aos Principados e às Autoridades no alto do Céu, a multiforme sabedoria de Deus,
de acordo com o desígnio eterno que Ele realizou em Cristo Jesus Senhor nosso.
Em Cristo, mediante a fé nele, temos a liberdade e coragem de nos aproximarmos de Deus com confiança.

Este é o Deus da minha salvação;
estou confiante e nada temo,
O Senhor é a minha força e o meu louvor;
Ele é a minha salvação.
Tirareis água com alegria das fontes da salvação.
Tirareis água com alegria das fontes da salvasção.
Agradecei ao Senhor, invocai o seu nome;
anunciai aos povos a grandeza das suas obras,
proclamai a todos que o seu nome é santo
Cantai ao Senhor, porque Ele fez maravilhas,
anunciai-as em toda a terra.
Entoai cânticos de alegria, habitantes de Sião,
porque é grande no meio de vós o Santo de Israel.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Ficai a sabê-lo bem: se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, não teria deixado arrombar a sua casa.
Estai preparados, vós também, porque o Filho do Homem chegará na hora em que menos pensais.»
Pedro disse-lhe: «Senhor, é para nós que dizes essa parábola, ou é para todos igualmente?»
O Senhor respondeu: «Quem será, pois, o administrador fiel e prudente a quem o senhor pôs à frente do seu pessoal para lhe dar, a seu tempo, a ração de trigo?
Feliz o servo a quem o senhor, quando vier, encontrar procedendo assim.
Em verdade vos digo que o porá à frente de todos os seus bens.
Mas, se aquele administrador disser consigo mesmo: ‘O meu senhor tarda em vir’ e começar a espancar servos e servas, a comer, a beber e a embriagar-se,
o senhor daquele servo chegará no dia em que ele menos espera e a uma hora que ele não sabe; então, pô-lo-á de parte, fazendo o partilhar da sorte dos infiéis.
O servo que, conhecendo a vontade do seu senhor, não se preparou e não agiu conforme os seus desejos, será castigado com muitos açoites.
Aquele, porém, que, sem a conhecer, fez coisas dignas de açoites, apenas receberá alguns. A quem muito foi dado, muito será exigido; e a quem muito foi confiado, muito será pedido.»

«Na tua palavra tenho posto toda a minha esperança» (Sl 118,81 Vulg). […] Esperando em Deus e transbordando de fé, juntarei a esperança à esperança, mesmo se à provação se juntar nova provação, se à demora se juntar maior demora. Porque estou certo de que mesmo «se tardar, espera por ela igualmente; que ela cumprir-se-á, com toda a certeza não se prolongará» (Hab 2,3) para além do tempo determinado e favorável.

Que tempo favorável será esse? É o tempo em que se há-de completar o número dos companheiros (Ap 6,11), em que se consumará o adiamento da misericórdia concedida para o arrependimento. Escutai Isaías […] explicar por que razão o Senhor adia o julgamento: «Mas o Senhor espera para Se apie¬dar de vós, aguenta para Se compadecer de vós; porque o Senhor é um Deus justo, e ditosos os que nele esperam» (30,18). Vede portanto, se fordes sábios, como empregar a trégua devida a esse adiamento. Se sois pecadores, essa trégua é-vos dada para fazerdes penitência e não para viverdes na negligência; se fordes santos, será para avançardes na santidade e não para desfalecerdes na fé. Porque «se um mau servo disser consigo mesmo: “O meu senhor está a demorar”, e começar a bater nos seus companheiros, a comer e a beber com os ébrios, o senhor desse servo virá no dia em que ele não o espera e à hora que ele desconhece; vai afastá-lo e dar-lhe um lugar com os hipócritas». […]

Sim, esperar verdadeiramente o Senhor é guardar nele a nossa fé, mesmo se estivermos privados da consolação da sua presença, é não seguirmos o sedutor, mas ficarmos suspensos até ao regresso do Senhor. É o que diz ainda o Senhor pela boca do profeta: «O meu povo estará suspenso até que Eu torne» (Os 11,7 Vulg). «Suspenso», expressão bela e exacta, que significa que, estando entre o céu e a Terra, não podemos ainda atingir os bens celestes, sem que por isso queiramos tocar nas coisas da Terra.

Curta o MJ-ES no Facebook!
Contador de visitas
  • 66448Total de visitas:
  • 47Visitas hoje:
  • 1432Visitas por mês:
  • 1Visitantes online: